RestauraCerrado_Divulgacao_RaimundoSampaio119.jpg

se o campo
não planta,
a cidade
não janta

A Agência Cajuí tem como um de seus maiores objetivos aproximar agricultores e consumidores. Acreditamos que o comércio justo e o consumo consciente são fundamentais para a garantia de um futuro climático equilibrado e economia solidária.


As cooperativas e as associações da agricultura familiar são parte integrante da cadeia produtiva sustentável - desde a coleta dos ingredientes, passando pelo beneficiamento até à etapa da comercialização. Para garantir maior visibilidade a essas etapas, nossa equipe oferece soluções nas áreas de identidade visual, incluindo o desenvolvimento de marca, rotulagem, redes sociais e assessoria de imprensa para o lançamento de produtos e projetos ecossociais.

Foto: Raimundo Sampaio

a alimentação
no Brasil

Os ingredientes que consumimos carregam, além de sabores de um território, cicatrizes, suor, cultura alimentar e muita luta. Dados levantados pela Confederação das Organizações Familiares de Produtores do Mercosul Ampliado (Coprofam) apontam que a Agricultura Familiar é responsável pela produção de 70% a 80% da alimentação cotidiana dos brasileiros.


A atividade também garante a continuidade dos modos de vida tradicionais, entre eles, as práticas de agroecologia. Realidade que faz um contraponto com a produção de commodities, que, de acordo com a plataforma MapBiomas, representam 47,1% do Cerrado convertidos em produção agropecuária.

Foto: Sara Campos

Agricultura Familiar_Sara Campos.jpg
Frutos do Cerrado .jpg

realidades distintas no uso da terra

A produção de alimentos sustentáveis pela Agricultura Familiar respeita os ciclos do solo e dos ecossistemas. Utiliza-se de técnicas tradicionais com menor impacto no meio ambiente e é feita por pessoas como você, representante de cooperativa ou agricultor. 


A busca predatória por cada vez mais terras para grandes empreendimentos agropecuários limita várias famílias no interior do Brasil, colocando em choque dois interesses muito distintos.


De um lado, a Agricultura Familiar, com sabedoria ancestral, que busca sobrevivência sem abrir mão da sustentabilidade, gerando renda a agricultoras e agricultores, alimentando e garantindo saúde diariamente a milhões de brasileiros. De outro lado, megacorporações, que visam lucro para seus acionistas, criando insumos destinados à produção de ração para animais, combustíveis e outros produtos para a indústria em larga escala. 

"Os camponeses e camponesas do Brasil fazem muito com pouco: carregam a soberania alimentar nas costas, produzem em diversidade e qualidade alimentos que tornam a mesa brasileira essa riquíssima experiência culinária e cultural, sua economia sustenta milhares de pequenos municípios brasileiros e marcam a cultura do Brasil profundo, cuidam do meio ambiente, do solo, da água e são os maiores guardiões da biodiversidade e criadores de agrobiodiversidade."

Isso não é apenas um livro de receitas, da fundação Heinrich Bölll

Defender a Agricultura Familiar e empoderar o campesinato é defender os direitos humanos, a soberania alimentar, a saúde e o futuro de todos nós.

Foto: Lula Lopes